Um novo nível de pensamento.

Liderança-e-inteligência-emocional

Olá, Caro (a) Leitor (a)!

Como vai?

Trago hoje um trecho do Livro Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes. Um ótimo livro! Esse texto nos ensina que é em nós mesmo que começa a  mudança que queremos ver nas coisas e nas pessoas.

Vamos lá? Boa leitura!

“Albert Einstein disse: “Os problemas significativos com os quais nos deparamos não podem ser resolvidos no mesmo nível de pensamento em que estávamos quando eles foram criados”.

“Quando olhamos á nossa volta, e para nosso íntimo, identificamos os problemas criados pela convivência e pela interação com a ética da personalidade. Então, começamos a perceber que temos problemas sérios, fundamentais, impossíveis de serem resolvidos no nível superficial em que foram criados.

 Precisamos de um novo estágio do pensamento, um nível mais profundo, um paradigma baseado nos princípios que descrevem exatamente o território efetivo da existência e das interações humanas. Assim, poderemos resolver as preocupações mais sérias.

É uma abordagem centrada em princípios e baseada no caráter,”que vem de dentro para fora “e se volta para a eficácia pessoal e interpessoal.

“De dentro para fora”significa começar consigo mesmo, ou, melhor ainda, começar pelo mais íntimo, seus paradigmas,seu caráter e seus motivos.

Dessa forma, se você pretende ter um casamento feliz, seja uma pessoa capaz de gerar energias positivas, afastando as más vibrações em vez de atraí-las. Se você pretende ter filho adolescente que coopere mais, seja um pai(mãe) mais compreensivo, solidário, coerente e amoroso. Se pretende ter mais liberdade, mais latitude em seu trabalho, seja um empregado mais responsável, generoso e envolvido com sua atividade. Se pretende conquistar a confiança das pessoas, seja confiável. Se busca a grandeza secundária do reconhecimento de seu talento, concentre-se inicialmente na grandeza primária do caráter.

A abordagem de dentro para fora privilegia um processo contínuo de renovação baseada nas leis naturais que governam o crescimento e o progresso humano. Manifesta-se como uma espiral ascendente de amadurecimento, que leva a formas progressivamente mais elevadas de independência responsável e interdependência efetiva.

Eu já tive a oportunidade de trabalhar com muitos tipos de pessoas,gente maravilhosa, talentosa, ansiosa para atingir o sucesso e conquistar a felicidade, gente que deseja mudar e gente que causa danos aos outros.

Trabalhei com executivos de empresas, estudantes universitários, grupos ligados a igrejas e organizações cívicas, famílias e casais. E em todas as minhas experiências não vi, nem uma única vez, soluções duradouras ou felicidade e sucesso sólido que viessem de fora para dentro.

Como resultado do paradigma de fora para dentro, só vi pessoas infelizes, que se sentiam perseguidas e imobilizadas, concentrando-se nas fraquezas dos outros e nas circunstâncias que, na opinião delas, eram responsáveis por sua estagnação.

Já observei casamentos infelizes, em que um cônjuge quer que o outro mude seu jeito de ser, em que só fala dos defeitos do outro, em que cada um quer moldar o outro conforme um modelo preestabelecido. Acompanhei disputas sobre política de pessoal em que se gastava bastante tempo e energia na tentativa de se criarem regras para forçar as pessoas a agir como se a mais pura verdade estivesse contida nessas regras.

Alguns membros de minha família moraram em três dos locais mais “quentes”do planeta: África do Sul, israel e Irlanda. Acredito que a fonte dos problemas permanentes desses três países tem sido o paradigma social dominante das coias feitas de fora para dentro. Cada um dos grupos envolvidos está plenamente convencido de que o problema está “nos outros”, e se “eles”(ou seja,os outros) pudessem repentinamente “entrar na linha”ou desaparecer da face da Terra, a questão estaria solucionada.

Buscar soluções de dentro para fora constitui uma mudança dramática de paradigma para a maioria das pessoas, em grande parte por causa do imenso impacto do condicionamento e do paradigma social em vigor explicitado pela Ética da personalidade.

Contudo, a partir de minha própria experiência, tanto pessoal quanto no contato profissional com milhares de outros seres humanos,e a partir do estudo cuidadoso dos indivíduos e sociedades bem-sucedidas no decorrer da história, estou convencido de que a maioria dos princípios contidos nos 7 Hábitos faz parte de nossa natureza íntima, de nossa consciência e de nosso senso comum. Para identificá-los, desenvolvê-los e utilizá-los para resolver nossos problemas mais graves precisamos modificar os nossos paradigmas, passando a um nível diferente,novo,no qual adotamos uma atitude “de dentro para fora”.

Á medida que buscamos sinceramente compreender e integrar esses princípios em nossas vidas, tenho a certeza de que poderemos descobrir ou redescobrir a importância e a verdade desta observação de T.S. Eliot: “Não devemos parar de explorar. E o fim de toda nossa exploração será chegar ao ponto de partida e ver o lugar pela primeira vez”.

Que tal colocar o que você aprendeu neste post em pratica? Um bom começo de mudança!

Paz e Luz,

Por Lumara Diniz

Texto Fonte: Livro Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes. Pág. 58 á 60.

Imagem: Google Imagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *